Série: The Fall (1)


“Ora, a serpente era o mais astuto de todos os animais selvagens que o Senhor Deus tinha feito. E ela perguntou à mulher: “Foi isto mesmo que Deus disse: ‘Não comam de nenhum fruto das árvores do jardim’? ” Respondeu a mulher à serpente: “Podemos comer do fruto das árvores do jardim, mas Deus disse: ‘Não comam do fruto da árvore que está no meio do jardim, nem toquem nele; do contrário vocês morrerão’ ”. Disse a serpente à mulher: “Certamente não morrerão! Deus sabe que, no dia em que dele comerem, seus olhos se abrirão, e vocês, como Deus, serão conhecedores do bem e do mal”. Quando a mulher viu que a árvore parecia agradável ao paladar, era atraente aos olhos e, além disso, desejável para dela se obter discernimento, tomou do seu fruto, comeu-o e o deu a seu marido, que comeu também. Os olhos dos dois se abriram, e perceberam que estavam nus; então juntaram folhas de figueira para cobrir-se. Ouvindo o homem e sua mulher os passos do Senhor Deus, que andava pelo jardim quando soprava a brisa do dia, esconderam-se da presença do Senhor Deus entre as árvores do jardim. Mas o Senhor Deus chamou o homem, perguntando: “Onde está você? ” (Gênesis 3:1-9)

No princípio, Deus estabeleceu um relacionamento com o casal de pessoas que viviam no jardim. Era possível ouvir os passos do Senhor quando Ele vinha visitá-los no fim do dia. Porém, pelo pecado de um só homem, tudo isso foi perdido, a partir do momento que foi dada PERMISSÃO, tudo se perdeu. A permissividade e o engano são as principais ferramentas diabólicas para corromper o homem ao pecado. Estamos diante de uma guerra em nossa mente!


Facilmente estamos sendo levados para lá e para cá, oscilando em pecado, sem resistência alguma, aceitando que é natural o pecado em nós. A luta que é travada hoje entre Carne versus Espírito, um dia não houve. Um dia, essa dualidade de pensamentos e de impulsos que nos fazem correr para o que Deus anseia ou para o que ele odeia, não existiu. Éramos envoltos na graça e glória de Deus, tendo a semelhança moral completa de Deus.

No jardim, foi perdida a essência que o homem tinha de querer se relacionar com Deus, não era um esforço máximo, ele saberia que Deus estava ali e vinha visitá-lo. Porém, a geração de Adão, querendo ser como Deus, não deu o devido valor ao RELACIONAMENTO ÍNTIMO com o Pai e também não tem sido a prioridade dessa geração. Diminuímos a grandeza de ter acesso ao Pai. O nosso Deus é grande, não caberiam em palavras as suas maravilhas, às vezes, reduzimos Ele as nossas próprias perspectivas.


“Ele determina o número de estrelas e chama cada uma pelo nome. Grande é o nosso Soberano e tremendo é o seu poder; é impossível medir o seu entendimento. ” (Salmos 147:4-5)

É impossível diminuir o Senhor, se não em nós mesmos. É impossível torná-lo pequeno, se não em nossos próprios pensamentos. É impossível desprezar a sua grandeza, se não em nosso próprio coração!

No Éden, tínhamos tudo que nos satisfazia fisicamente, tínhamos a plenitude de Deus que nos satisfazia espiritualmente, tínhamos o Aba que nos satisfazia eternamente. Trocamos tudo por nada, trocamos a eternidade pela dor. A vida eterna pela morte. O que temos feito hoje? Precisamos entrar no campo gravitacional de Deus, se deixar levar pela sua força! Somente assim nos afastaremos do pecado!

Muitas coisas têm nos roubado do Senhor. O valor das coisas está totalmente invertido! Nossos objetos pessoais são dignos de nossa preocupação e apreço. As provas de papel que nos reprovam são mais dignas da nossa preocupação do que a aprovação do meu dia por Deus. A aprovação dos meus amigos, são mais válidas que a aprovação de Deus diante a sua vontade. Será que teremos consciência algum dia, nesse mundo moderno, da dimensão do Senhor? Somente um coração que conhece Jesus e entende a sua maravilhosa vontade, sendo um com Ele, viverá para Deus e abandonada uma vida carnal, para uma vida que agrade a Deus! É necessário entender a cruz e ser PARTICIPANTE!


“Portanto, uma vez que Cristo sofreu corporalmente, armem-se também do mesmo pensamento, pois aquele que sofreu em seu corpo rompeu com o pecado, para que, no tempo que lhe resta, não viva mais para satisfazer os maus desejos humanos, mas sim para fazer a vontade de Deus.” (1 Pedro 4:1-2)

Nosso padrão de vida foi estipulado pela Cruz, quando por um só homem, os pecados de todas as gerações foram perdoados, quando por um só homem o véu foi rasgado e nos trouxe ARREPENDIMENTO! Nosso padrão de vida é baseado na OBEDIÊNCIA SACRIFICIAL; que mata a carne todos os dias pelo poder do Espírito!


“Consequentemente, assim como uma só transgressão resultou na condenação de todos os homens, assim também um só ato de justiça resultou na justificação que traz vida a todos os homens. Logo, assim como por meio da desobediência de um só homem muitos foram feitos pecadores, assim também por meio da obediência de um único homem muitos serão feitos justos. A Lei foi introduzida para que a transgressão fosse ressaltada. Sobreveio a lei para que avultasse a ofensa; mas onde abundou o pecado, superabundou a graça, a fim de que, como o pecado reinou pela morte, assim também reinasse a graça pela justiça para a vida eterna, mediante Jesus Cristo, nosso Senhor. (Romanos 5:18-21)

O pecado pode ser destruído, e será destruído por completo um dia. Mas nada e nem ninguém pode destruir Graça de Jesus!


“Cristo tem muito mais poder para Salvar do que Adão para destruir” (João Calvino)

Boa Jovem

Arthur Teixeira / 01.02.2020

(Texto: Sabrina Loyse)

21 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon